Abdominoplastia

A abdominoplastia é a cirurgia plástica com abordagem extremamente individualizada, que retira excessos de gordura e pele e ainda restaura a firmeza dos músculos quando eles estão enfraquecidos ou separados, como acontece com algumas mulheres depois de uma gravidez, por exemplo.   

Essa separação, chamada diástase abdominal, é parte da estratégia cirúrgica da abdominoplastia, cujo intuito é criar uma aparência mais definida, com tônus e suavidade.

abdominoplastia-cirurgia-plastica-01

Mulheres e homens que perderam muito peso e que provavelmente sofrem com o excesso de pele podem ser candidatos ao procedimento.

Mas excesso de peso não é uma condição que naturalmente leva à cirurgia. 

A abdominoplastia também pode ser recomendada  para pessoas com peso e proporção corporal consideradas normais (dentro dos índices de medição de massa corpórea) e que, mesmo com alimentação equilibrada e exercícios regulares, apresentam pontos de acúmulo de gordura, abdômen frouxo, flácido ou protuberante.

Este quadro pode ser resultante de processos e mudanças que ocorreram ao longo da vida, tais como:

  • Cirurgia prévia
  • Envelhecimento
  • Hereditariedade
  • Oscilações significativas no peso

Marque sua consulta com Dr. Spíndola.

abdominoplastia-cirurgia-plastica-02

Quais os tipos de abdominoplastia?

Em resumo, podemos dizer que existem 3 tipos de cirurgia para a abdominoplastia:

1 – Abdominoplastia clássica:

É o procedimento que retira pele em excesso desde a altura do púbis até a altura do umbigo. O posicionamento dos músculos abdominais também é revisto, eles são reposicionados e suturados  para restabelecer a aparência firme do abdômen.

2 – Abdominoplastia estendida ou circunferencial:

Nesta abordagem, a incisão inclui retirada do excesso de pele do abdômen até as costas, em sua parte mais inferior. Com uma extensão ampliada, o cirurgião plástico elimina a pele flácida e gordura do abdômen inferior e modifica a área superior, além de reconstruir o umbigo do/a paciente.

3 – Miniabdominoplastia:

Inclui a área abaixo do umbigo, eliminando a flacidez e aparência de ‘pochete’ (abdômen descaído) da área abdominal.

O que é importante saber sobre a abdominoplastia?

Abdominoplastia não é um procedimento para perder peso, ou para simplesmente emagrecer rapidamente.

Pode parecer óbvio, mas a verdade é que a reeducação alimentar ou mudança de rotina diária na alimentação e prática de exercícios físicos são recomendações médicas, antes e depois de uma cirurgia. As alterações de hábito são fundamentais para alcançar um resultado satisfatório da cirurgia.

A indicação para a abdominoplastia deve ser feita por um cirurgião plástico, que oriente e avalie cuidadosamente quem pretende submeter-se à ela.

É uma cirurgia que não substitui, de maneira nenhuma, a orientação para adotar práticas em direção a uma vida mais saudável ou o planejamento para perda de peso com orientação profissional e exercícios físicos.

A abdominoplastia também não é exclusivamente indicada para corrigir ou remover estrias, embora possa melhorar a aparência da pele como consequência da cirurgia. Isso acontece quando as estrias estão em locais em que a pele está excessiva e, portanto, a remoção faz parte do procedimento. Geralmente acontece nas áreas abaixo do umbigo.

Abdominoplastia trás um resultado para sempre?

Após a cirurgia, com o passar do tempo, quando o paciente apresenta oscilações severas de peso, o resultado do procedimento pode ficar comprometido.

A abdominoplastia não é indicada para simples perda de peso, mas pode incitar um cuidado maior com a alimentação, consciência corporal e prática de exercícios físicos com regularidade.  

A recomendação é que o procedimento seja postergado quando o/a paciente projeta perder peso substancialmente ou, no caso das mulheres, quando há a consideração sobre futuras gestações. Converse com seu cirurgião plástico para entender com clareza suas expectativas, antes de tomar uma decisão.

Perguntas Frequentes

A abdominoplastia poderá ser indicada para pacientes que tiveram perda severa de peso, após uma cirurgia bariátrica, por exemplo, assim como mulheres que apresentam flacidez e excesso de pele na região abdominal depois de uma gravidez.

A cirurgia de abdominoplastia requer uma incisão horizontal e a estratégia cirúrgica é sempre definida de uma maneira individual, de acordo com cada paciente. 

Este corte fica posicionado entre a linha do púbis e umbigo e a forma e extensão serão determinados pelo seu cirurgião plástico, dependendo da restauração necessária e indicada para o caso. Os músculos abdominais são suturados, quando há flacidez e separação excessiva, assim como tecidos em excesso são retirados. 

Em geral, o cirurgião plástico também faz uma incisão ao redor do umbigo para remover excesso de pele na parte superior do abdômen. O objetivo é criar um contorno abdominal mais suave e tonificado, proporcional ao biotipo do paciente. 

Local com sedação, peridural ou geral.

De 2 a 3 horas, em média.

Pode variar. De 12h a 24h.

Para que o resultado seja satisfatório, é importante que a pele apresente boa elasticidade a fim de garantir a retração adequada.

Vale lembrar que a abdominoplastia não é um método de emagrecimento.

É preciso realizar todos os exames solicitados pelo cirurgião e informá-lo sobre todos os remédios que faz uso, de anticoncepcionais à antidepressivos, por exemplo. 

A interação medicamentosa pode interferir na coagulação, se estiver tomando medicamentos à base de ácido acetilsalicílico, antigripais, inibidores de apetite, ginseng e ginkgo biloba, é necessário interromper o uso 14 dias antes da cirurgia.

Use a cinta modeladora junto com a placa compressiva por um período de 60 dias e a meias de compressão por até 8 dias. Evite movimentos bruscos, principalmente na primeira semana. Escolha roupas leves. Geralmente há edema (inchaço) e equimoses (manchas roxas), que se resolvem sozinhos em 21 dias na maioria dos casos. 

A drenagem linfática é indicada após 4 dias da cirurgia no intuito de acelerar a recuperação, reduzir o inchaço e oferecer bem-estar. Evite o sol, pois ele age tanto nas equimoses (manchas roxas) quanto nas cicatrizes recentes, podendo pigmentar a pele e deixar uma marca permanente. 

Após o 3º dia, não existe qualquer inconveniente em se expor ao sol ao sair de casa, mas não saia sem aplicar o protetor solar FPS 30. Entretanto, para exposições longas (praias, banhos de sol), aconselha-se aguardar um período mínimo de 90 dias.

Em 15 dias pode-se retomar as atividades do dia a dia e a atividade física em 30 dias. 

Marque sua consulta com Dr. Spíndola.

WhatsApp chat